Reaberto em 2015, com a mesma Gerência

segunda-feira, 15 de outubro de 2007

The City that never sleeps - Ep.1

Mais vibrante que nunca, Nova Iorque está de volta. Recuperada do 11 de Setembro, aceitou a sua vulnerabilidade, mas não parou e continua frenética, a abraçar o mundo, reinventando-se a cada segundo...

Nova Iorque é fascinante, a mais fascinante de todas as cidades. Porquê? Não sei [mas podem perguntar ao sortudo do Pedro, que já lá foi], diria que é uma questão de paixão e que qualquer avaliação racional deste sentimento viria aqui a despropósito. Caótica, barulhenta e poluída, não tem a imponência aristocrática de Paris, a beleza, a cor e a história de Roma ou a geografia, o clima tropical e o ritmo descontraído do Rio de Janeiro. Também não tem grandes monumentos, nem edifícios seculares e não é propriamente acolhedora. E, no entanto, seduz e vicia os nossos passos, atraindo-nos para o seu interior. Talvez sejam as luzes que ofuscam, a energia electrizante que se vive nas suas ruas, o desenfreado apelo ao consumo, a rapidez com que tudo se passa, o turbilhão de gente, a sensação de poder, de potência, de que ali tudo pode acontecer. Tentadora, a "maçã" atrai, deixa-nos saboreá-la e depois agarra-nos para sempre. Mas não será esse o mistério e encanto de uma paixão?

No coração de Manhattan

Passado o primeiro impacto, a sensação é de déjà vu. Por onde quer que andemos, tudo nos parece familiar, os táxis amarelos, o fumo característico que sai das condutas do metro nos dias frios, os edifícios, as fardas dos polícias... O certo é que já os vimos, já conhecemos quase ao pormenor alguns dos bairros, das cores, dos hábitos e dos movimentos da cidade, tantos foram os filmes aqui rodados.Comecemos pelos lugares comuns. Nova Iorque está cheia deles. A Quinta Avenida, ou se preferir, Fifth Avenue é um deles. Muito pouco original como sugestão de passeio, mas absolutamente obrigatória para qualquer turista que se preze, é uma espécie de centro nevrálgico do consumo para ondeconvergem multidões de passagem, às compras ou simplesmente atraídas pela sumptuosidade e brilho das lojas. Foi aqui que o milionário William Henry Vanderbilt construiu a sua mansão em 1883, seguido por famílias poderosas como os Astor ou os Gould. E foi também aqui que casas como a Cartier e a lendária Tiffany, a Gucci, a Fendi, a Prada, os armazéns Sak's Fifth Avenue o chiquérrimo Bergdorf Goodman e as mais populares (e baratas) Banana Republic e Gap estabeleceram os seus quartéis generais. E porque símbolos do poder não faltam na principal das avenidas, vai deparar-se com a cintilante Trump Tower, mandada construir pelo magnata Donald Trump nos anos 80 e com o Hotel Plaza, também ele um ícone do luxo ostentador.

Outro dos grandes marcos da Quinta Avenida e um dos lugares mais visitados de Nova Iorque é, sem dúvida, o Rockefeller Center. O primeiro complexo de edifícios do mundo a concentrar simultaneamente escritórios, lojas, restaurantes, entretenimento e jardins, foi construído entre 1931 e 1940 graças a John D. Rockefeller Jr. Hoje continua a merecer uma visita, especialmente em Dezembro, quando as iluminações de Natal são colocadas e o ringue de patinagem fica repleto de gente de todas as idades a deslizar ao som de músicas alusivas à época. Cenário mais turístico não há, mas este é um bom lugar para ir na primeira noite na cidade, é divertido e dá-nos a primeira picadela da serpente. Mal nos descuidamos, já estamos a trautear uma melodia e com vontade de patinar. É verdade, meus senhores, o "american way of life" contagia e depressa!

Estamos em Midtown, o centro de Manhattan, onde coabitam os mais importantes marcos da cidade e onde existe a maior concentração de diversidade arquitectónica única no mundo, com alguns dos arranha-céus mais inovadores e marcantes de todos os tempos. É impossível ignorar o edifício Chrysler, uma torre, também ela, art déco de aço inoxidável ornada com tampas de radiador, volantes, automóveis e gárgulas inspiradas num capot, construída para ser a sede, precisamente, da Chrysler; ou, um pouco mais a sul, o Empire State Building, o arranha-céus mais famoso de Nova Iorque (e do mundo) e que recentemente (após os atentados ao WTC) recuperou o título de mais alto. Acredite, vale a pena ganhar coragem, não perder a paciência nas filas, e subir até ao terraço de observação no 86.º andar onde Cary Grant esperou por Deborah Kerr em Affair to Remember. Outro dos locais de visita obrigatória para amantes de arquitectura e nostalgia cinematográfica é a Grand Central Terminal, a célebre estação de comboios que foi cenário de um beijo entre o fugitivo Gregory Peck e Ingrid Bergman no Spellbound de Hitchcock e onde, catorze anos depois, o mesmo mestre do suspense filmou North by Northwest. Inaugurada em 1913, a Grand Central foi projectada pela dupla de arquitectos Warren & Wetmore e transformou-se numa referência, porta de entrada e saída na cidade, recebendo diariamente um milhão e meio de pessoas. Até há bem pouco tempo escondida pela poluição, com o seu recente restauro - levado a cabo pela Beyer Blinder Belle, empresa responsável pela obra no museu de Ellis Island -, a Grand Central e o seu salão de tecto abobadado e grandes escadarias de mármore inspiradas nas da Ópera de Paris, recuperaram o seu esplendor neoclássico ao máximo.

Depois, aterre de olhos fechados em Times Square. Quando os abrir, vai acreditar estar dentro do Blade Runner, vai olhar para todos os lados e, entre a multidão que passa, o seu olhar vai dirigir-se para cima, em direcção às luzes e aos cartazes coloridos da Broadway. Vai parecer mesmo um turista recém-chegado tal a sua expressão de espanto, mas também pouco importa porque é impossível ficar indifente ao espectáculo e ninguém vai reparar em si. Edifícios altíssimos, cartazes e néons que iluminam a noite escura, várias músicas de fundo, um cowboy sem roupa, mas de guitarra em punho, um baterista à procura do sucesso, uma sirene pelo meio... Compre a Time Out, decida-se por um musical ou prossiga o seu caminho, a dançar...

Histórias da Village

Logo depois do Empire State e seguindo até Madison Square, damos de caras com o Flatiron Building, um dos mais fantásticos prédios nova-iorquinos. Construído em 1902, inaugurou a moda dos arranha-céus e tornou-se polémico porque todos achavam que iria ser derrubado pelas correntes de vento provocadas pela a sua original forma triangular. Marca a entrada no Gramercy e Flatiron District. A Union Square, onde Andy Warhol tinha a sua "Fábrica", fica logo ali ao lado, recebe um animado mercado semanal, com venda de fruta e legumes, e tem vindo a transformar-se num dos novos locais da moda, em parte graças à abertura do novo W Hotel. Entramos em Greenwich Village, que os nova-iorquinos há muito baptizaram apenas de "Village". Aqui começa uma outra Manhattan, com uma arquitectura muito própria, de prédios baixos, praças e pátios arborizados, mais acolhedora, descontraída e boémia, mas não menos vibrante.

Ocupando a área envolvente entre a rua 14 e a Houston Street, a Village original fica na zona West e possui a aparência de bairro residencial, com prédios de tijolo vermelho, ruas ladeadas de árvores, pequenos jardins, muito cuidados, uma autêntica vila dentro da grande metrópole. Do lado oposto, East Village roubou-lhe o título de bairro fashionable, ex-perimental e eclético. Inicialmente habitada por irlandeses, polacos, ucranianos e porto-riquenhos, tem sido também albergue de escritores, actores e músicos independentes, o mesmo é dizer alternativos e fora do sistema. Aqui cresceu a cultura punk e surgiram teatros e galerias que privilegiam a arte experimental. Mais a leste, a Alphabet City, assim baptizada porque as ruas têm o nome das primeiras letras do alfabeto foi a última área decadente a ser revitalizada. O que noutras cidades é underground faz parte do quotidiano deste bairro, onde cyber-punks, drag queens, body-piercing e dealers convivem com estudantes, publicitários e modelos. Ficam aqui alguns dos bares e restaurantes mais disputados de Nova Iorque, clubes e discotecas com moradas secretas, onde apenas entram os ultra cool e se vendem todas as substâncias e todos os devaneios que possa imaginar...Chelsea, para onde fugiram as galerias de arte mais importantes após a invasão burguesa do SoHo, é outro dos bairros trendy de NY. Pelas ruas 20 e 26, entre a 10.ª e a 11.ª avenida, vive uma comunidade criativa que tem como cabeça de cartaz o Dia Center for the Arts (548 West 22nd St.), um centro (alojado desde 1981 numa fábrica desactivada) onde expõem os nomes mais famosos e promissores das artes plásticas contemporâneas.

A boa vida do SoHo

Há muito que deixou de ser um bairro vanguardista, mas o SoHo - um acrónimo de South of Houston -, a sul de Greenwich Village, é uma espécie de sonho americano concretizado. Uma velha e decadente zona fabril, estava para ser demolida na década de 60, quando alguns visionários lutaram pela preservação da singular arquitectura industrial dos seus edifícios, cujas escadas de incêndio são verdadeiras esculturas de ferro forjado. Abandonado o plano inicial, durante os anos 70, artistas ocuparam os imensos lofts (grandes espaços sem paredes internas), transformando-os em ateliers. Uma animada cena artística, com galerias, lojas, restaurantes e cafés ocuparam o local e, num ápice, o SoHo transformou-se na última moda, atraindo mais e mais gente, e muito dinheiro.

Aqui nasceu um novo estilo de vida, a moda chique de viver em lofts, cujos preços chegam a atingir um milhão de dólares. As principais marcas, os melhores designers e os estilistas mais em voga têm loja neste bairro, que, nos últimos cinco anos, se transformou num centro comercial de luxo ao ar livre - emoldurado a norte pela Houston Street, a sul pela Canal Street, a Este pela 6.ª Avenida e a oeste pela Lafayette St. -, um verdadeiro paraíso para os consumistas, mas onde o comum dos mortais apenas pode fazer window-shopping. Quase todas as lojas, cafés, restaurantes e hotéis são de perder a cabeça, desenhados por arquitectos de renome e decorados por badalados designers de interiores. Os preços são exorbitantes, principalmente se quiser viver aqui. Custa muito caro um pequeno lugar ao sol num destes prédios coloridos com fachadas de ferro forjado e janelas amplas, a deixar ver cá debaixo, da rua, um pouquinho do sonho que será viver num loft nova-iorquino...

Flatiron Building, o primeiro dos arranha-céus da cidade, célebre pelo seu formato triangularTanto luxo e, logo ali, a dois passos, no sul do SoHo, fica a maior cidade chinesa do Ocidente: Chinatown, hoje com 80 a 150 mil habitantes, uma comunidade estrangeira em expansão tão grande que já se confunde com a vizinha Little Italy e o bairro judeu de Lower East Side. A Canal Street, com as suas bancas de rua, que vendem falsificações de carteiras, relógios e roupas mantém--se como pólo de atracção para turistas menos abastados que tentam descobrir preciosidades no meio da confusão.

Rumo ao Ground Zero

Dois passos mais para sul e estamos na Lower Manhattan e no Financial District, que alguém já apelidou de capital financeira do mundo. E se tem dúvidas sobre o poder que o dinheiro tem por estas bandas, então guarde mais um fôlego da caminhada para ver de perto o aspecto de fortaleza que tem o Federal Reserve Bank Building, na Maiden Lane. Existe mais ouro dentro daquelas paredes do que em qualquer outro lugar no mundo... dá para imaginar? Depois, e para ter uma ideia global desta zona, onde principalmente se ganha e perde dinheiro, caminhe pela celebérrima Wall Street até à porta da New York Stock Exchange, a Bolsa de Valores, e do Federal Hall, onde George Washington foi empossado presidente dos Estados Unidos, em 1789. Logo em frente, fica a Trinity Church, uma das mais antigas paróquias anglicanas do país. Curiosamente, foi aqui, no coração financeiro da cidade, que nasceu Nova Iorque e, precisamente, de uma transacção, quando, em 1626, o holandês Peter Minuit realizou um dos mais célebres negócios imobiliários da história, ao comprar a ilha de Man-a-hatt-ta aos índios algonquianos, com bugigangas no valor de 24 dólares!Mas deixemo-nos de rodeios porque, actualmente, quem visita Lower Manhattan, apenas tem a destruição do World Trade Center na mente. Basta andar uns metros desde Wall Treet para chegar à St. Paul Chapel, na Broadway, que se tornou o local de homenagem às vítimas do 11 de Se-tembro, com a sua vedação completa-mente coberta de posters, bandeiras, cartas, flores e todo o tipo de testemunhos.

ps: Nova York, a cidade que nunca dorme, volta no próximo mês, com o seu fascínio. Até lá...

16 comentários:

Pedro Vagos disse...

Ah!!!! Que saudades!!!!
Efectivamente, como bem dizes no texto, é mais fascinante do que todas as outras! Também não te sei explicar porquê, afinal, Londres, Paris, Barcelona são cidades igualmente imponentes, com mais história e que talvez até ocupem uma àrea geográfica maior... Mas Nova York... bem, só estando lá!
Nova York é diferente... a actividade sempre frenética, o bulício da cidade, os sons, os cheiros, a diversidade étnica e cultural! É algo que nos marca para sempre!
E ver neste artigo tantos dos sítios por onde passei... bem, excelente!!!!
Algumas coisas que "aprendi" por lá:
O Chrysler Building é provavelmente um dos edifícios mais bonitos do mundo.
É preferível subir ao Topo do Rockefeller Center e ver o Empire State Building do que subir ao ESB.
Disfrutem do passeio paralelo ao Hudson River, de onde podem observar a Estátua da Liberdade, façam um passeio pelo Central Park. Não deixem de fotografar a Ponte de Brooklin e o Flatiron _Building, o tal 1º arranha céus da cidade com uma esquisita forma triangular. E fiquem a saber, que nos primeiros anos após a sua construção aquele era um lugar de paragem obrigatória, não para apreciar o Edifício, mas para deitar o olho às pernas das senhoras, já que por causa da forma do edifício e da força dos ventos, não havia saia que resistisse, todas esvoaçavam!!!!

carlos mendes disse...

Ó Pedro, eu cá bem que gostava de seguir essas tuas dicas. O problema é mesmo o resto. €€€€€€. Mas gostei bastante do tema, do artigo e das fotos. Venha de lá a continuação.

Abraço,

zélia silva disse...

É mesmo um sonho e acredito piamente que provoque mesmo esse fascínio. NY, pelo que se vê nos filmes, é daquelas cidades que se entranham, que marcam. Adorava lá ir. És mesmo um sortudo, Pedro:)
O artigo deixa água na boca, levando-nos a todos os recantos. Mal posso esperar pelo próximo.

Boa semana,

ricardo melo disse...

Excelente escolha, pois Nova York deve estar no topo das preferências de quase toda a gente que gosta de viajar. Um gosto que vem ds filmes americanos e dessa publicidade subliminar, mas acho que a cidade é mesmo A CIDADE!
Fazia era um desafio para a 2ª parte: se o Pedro esteve lá, porque não ler, em discurso directo, as peripécias nos States, tal como no comentário? É que aquela parte das saias que esvoaçavam estava engraçadíssima...

Fica a sugestão:)

Jorge Ribeiro disse...

Já o Sinatra cantava o encanto que a cidade lhe exercia, e tantos anos depois ela continua a fascinar todos. A referência ao 11 de setembro é importante, porque a cidade soube renascer, dando uma prova evidente de pujança. Gostei muito do artigo, excelente, e do comentário do Pedro, que serve também de complemento.
Muito bom!

chris disse...

Desde o 11/09, eu senti-me um bocadinho americana. Apesar das guerras, das políticas de Bush, aprendi a admirar aquele modo de vida, a liberdade vivida em pleno, e a beleza de um país que é enorme. NY é apenas a cereja no topo do bolo, tantas são as maravilhas que o continente americano tem para nos mostrar. Gostei do texto, venha de lá o 2º, e porque não uma série sobre as grandes cidades do Mundo?
Fica a sugestão.

Boa semana

olga figueiredo disse...

Gostei bastante do nível do vosso blog. Primeira vez que comento, mas não queria deixar passar a oportunidade para vos parabenizar. Muito bom, dentro do género.

Cumps,

Lurdes Saraiva disse...

Espectacular! Refiro-me a tudo: cidade escolhida, artigo, fotos.
Só me resta sonhar...

Concordo com a sugestão: porque não uma rubrica sobre as cidades do Mundo, com o vosso "savoir-faire"?

miguel sarabando disse...

Excelente. Fico a aguardar a segunda parte, e que seja tão boa como esta.

cadu gomes disse...

Beautiful! Adoro NYC! Um sonho de menino, ainda não concretizado. Mas a América é um must pros brasileiros, mesmo.

Valeu galera!

manuel araujo disse...

Num local assim tirar fotos não é dificil, acho eu. Particularmente não sou grande apreciador de cidades grandes, mas NY encanta qualquer um.

Abraço,

BRUNO ROCHA disse...

Isto nao é um mundo sonhado ...é um sonho de "post"...como estes venham 3 ou 4 iguais e sobre o mesmo que estou crente ainda ficam coisas por dizer,referir ou contar!!!!
Grande Paulo...sempre no teu melhor..e como sei a azia que sentes em escrever sobre New York e sem conhecimento de causa..Nao desistas que em breve estou certo que será um destino para ti...
Abraços

cristina monteiro disse...

Cidade encantadora, daquelas que vale a pena ver antes de morrer:)

Beijos

gil oliveira disse...

Ai os States. Tantas reminiscências. Tantos filmes. Tantas recordações. Nunca lá fui, mas sinto que já lá fui. É confuso, eu sei, mas costumo ler tudo sobre viagens, desde revistas, blogues (e este vosso está muito bom), artigos, de tudo um pouco. Todos os nomes aqui falados, de zonas, edifícios, são familiares, como se sempre lá tivesse vivido. Adorei o artigo, as fotos. Espero agora a continuação do sonho.

E sim, também acho que se a 2ª parte fosse num discurso directo, com o Pedro como protagonista, ficava algo de sublime.

catia samora disse...

Ainda eu vou tirar umas fotos em plena Times Square. Ai vou vou, garanto-vos:)
Vontade não me falta, indicações já tenho, basta imprimir o artigo, agora vou começar a colecta pelos amigos. 10 € a cada um e arranja-se dinheiro num instante. E se voces colaborassem também?:)

jsoe reis disse...

Boa revisitação da eterna Nova Iorque. Tem uma mistica unica, é certo, tendo personalidade. Adorava conhecê-la!