Reaberto em 2015, com a mesma Gerência

sexta-feira, 27 de julho de 2007

Sevilha

Existem cidades marcantes. Umas mais do que outras, é certo. Sevilha é uma delas. O que é que se pode dizer de uma cidade onde permaneci pouco mais de 15 horas? Como é que uma urbe se agarra assim, epidermicamente, quando o tempo de permanência é tão curto?
Boas perguntas. Pode ser que o texto que se segue consiga responder a ambas. Primeiro ponto, e aquele que ainda hoje me assalta a memória, mal se pronuncia o nome da cidade espanhola. Calor. É o que mais me recordo de Sevilha. Um calor brutal. Diabólico. Como se saido das profundezas do inferno. Parece melodramático, eu sei, mas não tem ponta de exagero. Imagine-se, caro leitor, numa cidade, às 9.30 da manhã, com uma temperatura a rondar, já a essa hora matinal, os 33º graus. Convêm aqui elucidar o motivo da visita. Não foi turismo, se bem que ele também esteve presente. Foi por motivos "religiosos". A final da Taça UEFA, entre o Porto e o Celtic.
Como dizia, se às 9,30 da manhã, acabadinho de desembarcar do avião proveniente da Invicta, o calor já derretia, daí para a frente, com a marcha inexorável do relógio, a temperatura foi aumentando. Até níveis bem próximos da loucura. Por isso, ataviado de uns calções, munido de uma garrafa de água - que se revelou parca opção - e transpirando em bica, tinha apenas duas opções: ou me refugiava num paraíso qualquer onde o ar condicionado me aliviasse, ou aproveitava o tempo disponível - até às 16 horas - para conhecer um pouco da cidade. Optei pela segunda.
Como rapazinho organizado que me orgulho de ser, tinha já, anteriormente, feito um percurso que me permitisse ver o máximo da cidade, no menor tempo possível. De Sevilha conhecia o óbvio. Cidade do flamenco e da tourada, com reputação de boémia pela horda de estudantes que aí habitam, é também uma cidade profundamente religiosa, onde o apego da fé se nota em alguns edifícios e nos seus bairros mais populares. Assim, guardado na mochila que levava a tiracolo, o percurso contemplava a visita à Catedral e Giralda, aos Alcáceres Reais, à Praça de Espanha e ao rio, parte indelével da cidade, o Guadalquivir.

Não é difícil, ao viajarmos pela cidade, testemunhar a antiguidade de Sevilha, patente nos edifícios e monumentos que, nos seus diversos estilos arquitectónicos - gótico, renascentista, clássico e modernista - lhe conferem um carisma, comum apenas às cidades com história.




"Façamos uma obra tão grande que quando a vejam nos tomem por loucos!"
Foi esta a ordem eclesiástica que deu origem à monumental Catedral de Sevilha, erguida no centro histórico, junto à judiaria (Bairro de Santa Cruz). Assombrosa no exterior pelas suas dimensões e profusão de detalhes esculpidos em pedra, esta catedral é a terceira maior do mundo, apenas suplantada pela Basílica de São Pedro, em Roma, e Saint Paul de Londres. Em estilo gótico, foi construída em 1401, sob a direcção do arquitecto Alonso Martínez, onde se encontrava um templo árabe. Neste edifício todas as medidas pecam por excesso. A título de exemplo: as cinco naves interiores são cobertas por setenta abóbadas, a custódia - obra máxima do renascimento espanhol - pesa trezentos quilos e o altar principal exibe mais de mil figuras representativas de diferentes cenas da vida de Cristo. O órgão - impressionante - possui 6700 tubos e pode ser ouvido todos osdomingos na missa das 9 e 30 h. A torre da Catedral, a Giralda, imagem indissociável de Sevilha, era o antigo minarete do templo muçulmano original. No século XVI foi-lhe acrescentado um conjunto de sinos renascentistas, 25 no total, e coroado com uma estátua, o Giraldillo, símbolo do triunfo da fé cristã. Com 93 metros de altura, permite contemplar toda a cidade a quem tenha coragem de subir 35 rampas a pique. Mas vale o esforço, pois da que foi um dia a torre mais alta do mundo, sentimos, por uma vez na vida, Sevilha aos nossos pés.
Em seguida não temos como resistir a mais uma visita, desta vez à maravilha arquitectónica vizinha - os Alcáceres Reais. Designam-se no plural, pois abrigam um conjunto de palácios, que vão desde o alcácer original, morada dos reis árabes, às adições efectuadas pelo rei D. Pedro I, no século XIV, e posteriores obras de restauro e ampliações. São resultado do esforço milenar de várias gerações de governantes em reescrever a história da sua cidade. Representam, por isso, na perfeição a arquitectura civil sevilhana: conjugam os elementos decorativos muçulmanos com outros góticos, renascentistas e barrocos, onde os pátios floridos - de origem romana - alegram os interiores e os jardins perfumados no exterior, convidam a passeios e leituras prolongadas.

Depois disto, destilando água por todos os poros, abanei a bandeira branca da rendição. Sevilha é interessante, tem história, monumentos fabulosos, uma arquitectura que merece ser vista mas...o calor venceu! Às 13 da tarde, os termómetros mostravam, implacáveis: 42º graus. "Bolas", pensei, "vamos para o paraíso". Este estava ali mesmo à mão e de portas bem franqueadas: um moderno e climatizado shopping. "Ufaaaa", o meu suspiro de alívio deve ter sido ouvido à distância...

ps: Ah, não acrescenta nada à história, mas trouxemos a Taça:)

Informações úteis

Indicativo: 0034 e 95 (para Sevilha).
Moeda: euro.
Horários do comérico: os bancos estão abertos normalmente entre as 9 e as 14h00 aos dias de semana e aos sábados entre as 9 e as 13h00. O comércio pratica outros horários: 9h30-14h00 e 17h00-20h00
Diferença horária: mais uma hora do que em Portugal
Segurança: Não sendo uma cidade particularmente perigosa, não convém deixar valores dentro dos automóveis, frequentemente assaltados. Também é prudente não circular com muitos bens e, durante a noite em locais desertos, é preferível apanhar um táxi. As tarifas são semelhantes às praticadas em Portugal, mas pergunte os preços médios de cada "corrida" antes de entrar. No centro histórico é muito comum que mulheres ciganas se aproximem com rosmaninho na mão na tentativa de lhe ler a sina a troco de dinheiro. Não aceitam qualquer tipo de gorjeta (regateiam por somas avultadas), pelo que é melhor afastar-se. O truque é nem olhar.
Moradas e telefones úteis: Consulado de Portugal, Av. del Cid, tel. 954231150; Centro de Informação de Sevilha, c/Arjona, 28, tel. 902194897; Posto de Turismo, Paseo de las Delicias, 9, tel. 954501001; Teletáxis, tel. 954622222; Polícia Local, tel. 092; Urgências, tel. 061.
Transportes: No centro deve circular a pé, pois é a melhor forma de apreciar a cidade. Mas, para distâncias mais longas pode apanhar os transportes urbanos. O bilhete individual para uma viagem custa 90 cêntimos, o passe de um dia € 3 euros e o de três dias € 7. As estações principais estão situadas no Prado de San Sebastián e Plaza de Armas. Se preferir um passeio de coche, deve dirigir-se junto à Catedral, Pç. de Espanha, Torre del Oro, Pç. del Triunfo e Pç. Virgen de los Reyes. Uma hora custa cerca de € 30.
Onde e o que comer
A gastronomia sevilhana é tão diversificada quanto saborosa. Dos pratos mais populares constam o gaspacho, o peixe frito, ovos à flamenca, espinafres com grão, escabeche de peixe com azeite, ovas, os presuntos e outros enchidos, cozido andaluz e o rabo de boi estufado. Na doçaria destacam-se as gemas de San Leandro, que podem ser compradas nos conventos da cidade (experimente na Plaza San Ildefonso) e as rabanadas. Os vinhos da zona são o Jerez, manzanilla e montilla.As refeições são tomadas mais tarde que em Portugal, aqui o prazer da mesa é prolongado: tem início com o ritual das tapas às 12h00, ao qual se segue o almoço pelas 14h00 e à noite tudo se repete às 20h00, pelo que os restaurantes estão vazios antes das 22h. Pode ir petiscar tapas em qualquer das esplanadas da Santa Maria la Blanca e da Leviés, no Bairro de Santa Cruz, pelo ambiente. No Las Terezas (Jiménez de Enciso, 1) e Giralda (Mateo Gago), no mesmo bairro, pela tradição. Nos bares de Triana ao longo do rio pelas vistas e qualidade do peixe frito. No Siglo XVIII (Plaza de San Ana, Triana) pelo espírito cigano. Na Flor de Toranzo (Gamazo, 7) para desfrutar do ambiente do Arenal. São apenas sugestões que não invalidam outras experiências por toda a cidade. Para almoçar ou jantar recomendam-se os tradicionais Puerta Grande (Atonia Diaz, Arenal) pela sopa de tomate e rabo de boi, o Modesto (Cano e Coto, 5, Santa Cruz) pelo marisco e a Casa Robles pelos vinhos e tudo o resto (Alvarez Quintero, 58, Centro). No Poncio (Victoria, 8, Triana) a dourada ao sal é sempre fresca e no Patio San Eloy (Castelar 1, Centro) os petiscos tentadores.
Onde ficar
Em Sevilha a oferta é considerável, embora por épocas mais festivas seja preferível marcar o alojamento com bastante antecedência. O Hotel Los Seises (Segovias, 6 Santa Cruz, 954229495), a Casa Imperial (Imperial, 29, Santa Cruz, 954500330) e oAC de Sevilha (Av. Manuel Siurot, 25, 954230505) são os mais trendy; Las Casa de La Juderia (Plaza Santa Maria de La Blanca, 954415150) e o Hotel Doña Maria (Don Remondo, 19, Santa Cruz, 954224990) os mais charmosos. Se procura ambientes de luxo então o Hotel Alfonso XIII (San Fernando, 2, Centro, 95491 7000) é o mais indicado. Na cidade de Carmona, a cerca de 30 km de Sevilha, não pode perder a Casa de Carmona (Plaza de Lasso, 1, tel. 954 144 151; fax: 954 190 189; www.casadecarmona.com), uma casa-palácio convertida em hotel de luxo, com ambiente e decoração muito próximas do típico palacete andaluz, com apenas 33 quartos (todos eles com uma personalidade própria) e magníficos jardins.
Espectáculos de flamenco
As raízes desta música e dança estão perdidas entre a cultura hindu, árabe, judia, grega e castelhana. Mas, sem dúvida, que foram os ciganos que melhor a absorveram e preservaram. Para ver e ouvir na Casa de La Memoria (Ximénez de Enciso, 28), Los Gallos (Plaza de Santa Cruz, 11), Puerta de Tria (Castilla, 137) e Casa Anselma (Pages del Corro, 49).
Para mais informações
Turismo Espanhol, Av. Sidónio Pais, 28, 3.º Dt., 1050-215 Lisboa, Tel.: 213 541 992; www.spain.info Na Internet: www.elgiraldillo.es (toda a vida cultural da cidade e reservas para espectáculos), www.sevilla.org, www.andalunet.com e www.turismosevilla.org

16 comentários:

Maria Rosário disse...

Meus meninos, já estava com saudades destas prosas. O blog está muito bom, mas também é disto que eu gosto. Dos vossos artigos na 1ª pessoa, desse viajar por terras desconhecidas. E aí, sinceramente, não têm rival. Está uma história fantástica, com pitadas de humor (com que então “motivos religiosos” anh?), a descrição de sempre, que nos coloca lá, no meio da acção e o rol infindável de informações básicas sobre o local, para os aventureiros que se seguem. Olhem, o que posso dizer? Adorei “conhecer” Sevilha, apesar do calor:)

gil oliveira disse...

Allez, Porto, Allez:)
Bem, penso não existir melhor motivo para ir a Sevilha do que essa fé num clube fabuloso. Sortudo!
Está um texto fantástico, de uma cidade bem linda – também já por lá passei – e escrito com a mestria do costume. A Giralda é mesmo monumental, não é?

Paulo Pereira disse...

Ó Gil, atão tiveste em Sevilha, sabes que queremos relatos e fotos de todos os locais onde aqueles que nos visitam estiveram, e não te chegas à frente?
Este texto não invalida que também tu contes as tuas aventuras por Sevilha. Aliás, até podias complementar o meu, pois vi, como te deves ter apercebido, pouca coisa. Vá lá, solta o escritor que há em ti:)

Ou isso ou umas fotos, para a rubrica foto do mês. Escolhe!

Um abraço

carlos mendes disse...

Pois, como disse a Maria Rosário, também eu estava com saudades das vossas aventuras, se bem que o motivo não tenha sido o melhor – e ainda por cima trouxeram a taça (eh eh, brincaderinha).
Belo relato, com uma descrição minuciosa e a qualidade de sempre. É por isso que adoro este blog. Continuem!

raul coelho disse...

Amigo Paulo, excelente relato. Só para ver essa catedral, 3ª maior da europa, vale a pena levar com tanto calor.

Um abraço,

madalena brandão disse...

Nuestros Hermanos têm cidades fantásticas, Paulo. Não conheço Sevilha – aliás, não conhecia até agora – mas parece-me que tem o mesmo das outras: praças monumentais, arquitectura antiga, história a rodos. Belo local para umas mini-férias. Parabéns pelo texto…e pela taça, claro:)

chris disse...

Continuam a encantar, seja nas fotos ou em textos, vocês estão em grande forma. Gostei desta ida a Espanha e à caliente Sevilha. Belo passeio, apesar do calor que me derreteu:)

Beijos

manuela pestana disse...

Ufaaaa, até ficamos encalorados ao ler o artigo:)
Paulo, mais uma vez, estiveste perfeito. Belo texto, contado na 1ª pessoa, numa aventura religiosa:), k até correu às mil maravilhas. Adorei!

Beijos (e parabéns pelas ultimas fotos do Olhares. Já era tempo)

nuno de sousa disse...

Consegui um tempinho para passar por cá, para poder analisar devidamente. Estou surpreso!!!!
Isto está com uma qualidade fabulosa, e digo-o sem favor nenhum.
Já conhecia a tua apetência e a do Pedro para a fotografia, mas desconhecia esta vossa paixão pelas viagens. Só têm que estar orgulhosos do que conseguiram. Parabéns!

ana melrinho disse...

Excelente, Paulo e a fazer-me sentir algo envergonhada. Isto sim é uma crónica de umas férias. Excelentemente escrita, num estilo pessoal, mas não descurando o detalhe minucioso, quando falas do que deve ser visto. Ficou excelente!

Bom fds

Paulo Pereira disse...

Ana, vamos lá a ver se nos entendemos. Não tens nada que te sentir envergonhada. Muito pelo contrário. Foste a 1ª a aparecer com um texto, excelente, correspondendo ao que ansiavamos. Um local algo exótico, belas fotos e um artigo que mostrou o teu ponto de vista. Querias mais do que isso? Eu e o Pedro não!

Agradeço também os comentários e as visitas de algumas caras que contava ver por aqui. Espero que tenham gostado - obrigado pelas amavéis palavras, Nuno - e que voltem mais vezes.

Bom fds

miguel sarabando disse...

Excelente artigo, mais uma vez com qualidade para ombrear com as revistas da especialidade. Tirando o motivo que te levou até lá(bolas, e eu que era do Celtic desde pequenino), Sevilha é mesmo uma cidade espantosa. Conheço-a muito de passagem (Isla Mágica com os míudos)mas gostei do que vi. E do que li, claro:)

Um abraço

Luis Ribeiro disse...

Sevilha não conheço, mas ainda bem que trouxeram a taça, senão ninguém te aturava durante meses:)
O pouco que conheço de Espanha agrada-me bastante. Qualidade no turismo, preços mais acessíveis do que no Algarve e belos locais. Esta cidade não foge à regra.

Um abraço,

sandra miguel gomes disse...

Mais um artigo excelente, criando o desejo de lá dar uns passeios...logicamente, com uma temperatura mais amena.

Beijos

maria manuela disse...

Bela surpresa a qualidade deste blo, k visito pela primeira vez (mas não a última, prometo).
Artigos interessantes, fotos excelentes, está feito com bom gosto, qualidade e, acima de tudo, paixão.

Os meus sinceros parabéns!

ritinha disse...

Eu sei do k falas, pois já lá fui com uns amigos, em pleno Verão. Pensei k derretia, pois o calor é mesmo diabólico naquela zona. A cidade, vista dentro de um carro climatizado, pareceu-me muito bela, com edificios históricos (vi a catedral)e deslumbrantes. Mas o calor....